PortuguêsEnglish

Notícias O que os hackers buscam na sua empresa

Publicado em 3 de Maio de 2017

O que os hackers buscam na sua empresa

Pouco preparados para lidar com cibercrimes, pequenos empreendimentos são vítimas frequentes de ataques virtuais

Pequenas e médias sofrem mais e gastam mais com ataques

“Quase todo mundo que vem à delegacia prestar queixa diz ‘nunca pensei que isso podia acontecer comigo”, afirma o delegado José Mariano de Araújo. Ele é o responsável pelo departamento de crimes eletrônicos da Polícia Civil de São Paulo. Acostumado a se deparar com diversos tipos de crimes virtuais, Araújo explica que essa sensação de surpresa por parte das vítimas não tem base na realidade. Mesmo pequenas e médias empresas podem ser bem atraentes para cibercriminosos.

“Isso acontece porque não necessariamente o alvo primário é a sua empresa. Os clientes dela, estes sim, podem representar um alto valor financeiro”, diz o delegado. Ou seja, sua empresa pode até movimentar valores modestos, mas talvez seja um boa “ponte” para chegar aos clientes e prejudicá-los. “Hoje, quem invade um computador quer basicamente roubar informações. É por meio delas que os criminosos têm acesso a contas-corrente, dados de cartões de crédito, etc”, explica Araújo. “A primeira coisa que um criminoso tem em mente é: preciso obter as informações desta vítima.”

Além da experiência, o alerta do delegado tem as pesquisas ao seu lado. Vários estudos divulgados nos últimos anos atestam como empresas menores também sofrem, e muito, com ataques cibernéticos. Uma pesquisa veiculada pela Fiesp (Federação das Indústrias do Estado de São Paulo) em 2015, por exemplo, mostrou que 65,2% dos casos envolveram pequenos empreendimentos. O número se refere ao ano anterior e a ataques com foco financeiro.

Outro estudo da Fiesp, esse divulgado no final de 2016, mostrou que cerca de 24% das pequenas e médias empresas registraram um grande aumento no número de ataques virtuais em relação a 2015. Entre as grandes empresas, nenhuma registrou crescimento nesse índice.

O cenário é ainda mais preocupante ao se levar em conta um estudo da Kaspersky Lab, produtora de softwares de segurança na internet. A empresa trabalhou com dados de 4000 companhias de 25 países e conclui que pequenas e médias empresas gastam, em média, 44% a mais do que as grandes para se recuperarem de um ataque.

O que eles querem com sua empresa. De acordo com Renato Ribeiro, especialista em segurança digital e “hacker do bem” nas horas vagas, no passado os hackers eram motivados pelo desafio que representava acessar informações sigilosas. Com o passar do tempo, esses grupos perceberam que existia a possibilidade de retorno financeiro e, hoje, a maior parte deles é motivada pelo dinheiro.

Durante um tempo, os ataques virtuais eram caracterizados por fraudes e rápidas transferências de dinheiro para contas laranjas, que eram sacadas na pressa antes de serem bloqueadas. “Só que isso era pouco eficiente”, diz Rodrigo Fragola, presidente da Aker Security, empresa especializada em segurança digital. “Hoje, os ataques se sofisticaram e os hackers estão mais pacientes. Em média, no mundo todo, eles ficam escondidos na máquina da vítima por 240 dias, apenas coletando informações. O interesse é retirar o máximo de dados da empresa para verificar com o que se pode lucrar”, diz.

No entanto, quando um hacker tem acesso a arquivos sigilosos, dificilmente ele utiliza as informações para efetuar fraudes. Segundo Ribeiro, os criminosos preferem vender a base inteira no mercado negro da internet, em negociações feitas com bitcoins, que são impossíveis de rastrear. “É muito difícil encontrar um hacker que utilize dados de outras pessoas, porque ele sabe a exposição que isso gera. Quem faz compras online com número de cartão de crédito, por exemplo, precisa informar um endereço, esperar o produto chegar, e o hacker não se arrisca a esse ponto”, diz.

Como eles atacam. Atualmente, os criminosos têm optado por invasões mais elaboradas, com dois ou três passos de execução. Isso significa que existe um primeiro alvo, a partir do qual o hacker consegue acesso a outras vítimas, que são o objetivo final do ataque.

As invasões podem ocorrer na infraestrutura da empresa ou nos softwares que ela utiliza. Um bom exemplo do primeiro caso acontece em redes wi-fi de estabelecimentos comerciais, como restaurantes e cafés. “Nesses lugares, é comum encontrar roteadores protegidos com senhas fracas, ou até mesmo com a senha padrão de fábrica. Isso permite que um hacker acesse sem dificuldades as configurações do roteador e altere o funcionamento do aparelho para enviar informações falsas a todos que estiverem conectados”, explica Renato.

Nesse exemplo, um cliente que tentar acessar o site do seu banco através de uma rede wi-fi hackeada pode ser levado a uma página falsa, com visual semelhante ao site original da instituição financeira. A partir daí, o hacker é capaz de coletar as informações bancárias sem dificuldades.

Também são comuns ataques diretos ao servidor da empresa. Existem muitas maneiras dessas ataques acontecerem, mas uma delas, que é relativamente simples e antiga, ainda tem resultados em pequenas empresas. Conhecida como SQL Injection, esse tipo de ameaça utiliza falhas básicas dos sistemas que armazenam as bases de dados da empresa.

O ataque, basicamente, ocorre da seguinte maneira: sempre que alguém faz login em um sistema, as informações de acesso são enviadas aos servidores, que verificam se os dados da conta e da senha estão corretos. Nesse caminho percorrido pelas informações, um hacker pode enviar linhas de código com comandos para receber dados confidenciais. Caso o servidor não esteja preparado para ignorar esses códigos, existe o risco de ele obedecer a ordem do hacker e enviar dados que deveriam ser protegidos.

Nesses casos de ataque ao servidor, uma boa solução pode ser a contratação de serviços de armazenamento de dados na nuvem. “Empresas como Locaweb e Amazon, por exemplo, têm recursos para manter equipes de segurança grandes e especializadas. E como esse custo é diluído entre todos os clientes, uma pequena empresa consegue ter acesso a um padrão alto de proteção por um custa relativamente baixo”, diz Renato.

Ataque da moda. Advogada e sócia da Opice Blum, escritório que há vinte anos atua com direito digital, Juliana Abrusio alerta para o “crime do momento” no mundo cibernético. “Apesar de ainda representar uma parcela pequena dos casos atendidos, notamos uma grande aumento no número de ataques do tipo ransomware”, diz Juliana.

Ransomware é um ataque virtual no qual o criminoso, em vez de roubar dados para vendê-los ou causar fraudes, aplica criptografia sobre as informações, tornando-as inacessíveis aos usuários. Para liberá-los, geralmente é preciso pagar um resgate ao criminoso. Daí ser chamado de “sequestro” de dados. O pagamento normalmente é feito em bitcoins.

“Esse ataque geralmente acontece com médias e pequenas empresas”, explica a advogada. “E, em muitos casos, o empresário não tem o back up dos dados e acaba pagando o valor exigido”, diz Juliana. A especialista revela que, inclusive, existe um “ticket médio” para o valor do resgate: o equivalente a cerca de R$ 10 mil. Talvez o valor não pareça tão alto, mas, de acordo com a advogada, isso é estratégico.

“Os criminosos estipulam um valor para desestimular a busca por ajuda. A pessoa prefere pagar para resolver o problema, e o hacker ganha no volume de vítimas”, diz Juliana. O que não significa que, eventualmente, valores bem mais altos sejam exigidos. “Peguei há pouco tempo um caso em que pediram R$ 400 mil pelo resgate”.

Fonte: Estão PME

Clique aqui para ver a notícia na íntegra.